Espécie

Rhinolophus hipposideros (Morcego-de-ferradura-pequeno)

  • Rhinolophus hipposideros
  • Rhinolophus hipposideros

Características

De pequenas dimensões, esta espécie de pêlo fofo e macio com a base cinzento-claro, é o morcego-de-ferradura mais pequeno da Europa. Dorso com tonalidades acastanhadas ou acinzentadas, com tonalidades avermelhadas ausentes. A zona ventral apresenta tonalidades acinzentadas. As orelhas e as membranas alares são cinzento-acastanhadas-claras. O processo cognitivo superior é curto e arredondado (característica distintiva da espécie) e o inferior é mais comprido e pontiagudo, quando visto de perfil. A folha nasal não tem projecção superior na sela, apresentando esta forma de cunha. As orelhas, quando dobradas para a frente, ficam com 5 mm fora da ponta do nariz e, como em todos os morcegos-de-ferradura, não tem trago.


Ecologia

Esta espécie sai ao anoitecer, mantendo-se activa toda a noite. Mede 19,4-25,4 cm de envergadura. Consome pequenas mariposas, mosquitos, melgas, escaravelhos e aranhas, caçando as suas presas em pedras e arbustos. É uma espécie sedentária, com registos de distâncias entre os abrigos de Verão e Inverno na ordem dos 0-100Km. Tem um voo bastante rápido com um movimento de asas muito leve. Caça em florestas abertas e parques, entre bosques e arbustos, a cerca de 5 metros do solo. No Verão, as fêmeas formam colónias de criação de 10-500 indivíduos, podendo, por vezes, incluir machos juvenis. No Inverno são geralmente solitários, mas ocasionalmente formam grandes grupos (500 indivíduos), com os indivíduos espaçados 25-50 cm. Abrigam-se em grutas, minas e estábulos com temperaturas entre os 6 e os 9º C e humidade elevada. A época de reprodução corresponde ao Outono (Setembro-Novembro), contudo podem ocorrer acasalamentos no Inverno aquando da hibernação. As fêmeas armazenam o esperma até à ovulação e fertilização, em Abril/Maio. Após o acasalamento as fêmeas formam uma tampa vaginal, mudando-se para os abrigos de criação a partir de Abril. Entre Junho e Julho dão-se a maioria dos nascimentos, podendo estes ocorrer ainda no inicio de Agosto. Os abrigos de criação têm cerca de 10-00 adultos, que começam a dispersar entre Agosto e Outubro. Atingem a maturidade sexual quando atingem 1 ano de idade e dão à luz uma cria por ninhada, em cada ano. As fêmeas têm 2 glândulas mamárias (mais 2 falsos mamilos) e são as únicas a cuidar das crias. A longevidade máxima registada é de 18 anos. Ecolocação a 108-110 kHz.


Fenologia

Residente (Res)


Estado de Conservação

Vulnerável (VU)


Distribuição Geral

Distribui-se por todos os países europeus (incluindo as ilhas) da região do Mediterrâneo. No norte da África, está registrado a partir de Marrocos, Argélia, Tunísia e na parte oriental do Sinai (do Egito); também ocorre na África Oriental. Em Portugal, a sua distribuição é contínua em todo o território continental.

Distribuição Geográfica

Referências

Macdonald, D. & Barret, P. (1993). Mamíferos de Portugal e Europa – Guia Fapas.

Cabral, M.J.(coord.), Almeida, J., Almeida, P.R., Dellinger, T., Ferrand de Almeida, N.,Oliveira, M.E., Palmeirim, J.M., Queiroz, A.I., Rogado, L. & Santos‐Reis, M. 2005.Livro vermelho dos vertebrados de Portugal. 2ª ed. Instituto da Conservaçãoda Natureza/ Assírio & Alvim. Lisboa. 660 pp.

http://www.iucnredlist.org/

Relatório Nacional de Implementação da Directiva Habitats (ICNB, 2008)

Mário Carmo (Observações pessoais)