Espécie

Emys orbicularis (Linnaeus, 1758)

Nome Comum

Cágado-de-carapaça-estriada

  • Emys orbicularis
  • Emys orbicularis

Características

Esta espécie tem uma carapaça preta, cinzenta ou acastanhada com riscas e manchas amarelas no corpo e carapaça. O plastrão, ou face ventral, é plano, de cor cinzenta ou amarela apresentando manchas escuras aleatórias. O espaldar, ou face dorsal, é rígido, abaulado com manchas amarelas que se podem fundir entre si. A ligação entre as duas faces, dorsal e ventral, é efectuada através de ligamentos cartilagíneos. As extremidades são robustas, com escamas bem visíveis, unhas fortes e compridas e membranas interdigitais.
Os recém-nascidos têm carapaça quase circular, coloração semelhante aos adultos mas mais escura e apresentam pequenas manchas amarelas nos bordos da face dorsal. Nesta fase, a quilha é mais evidente do que nos adultos e a face ventral apresenta-se bastante móvel.


Ecologia

Espécie diurna e activa durante praticamente todo o ano.Pode apresentar um período de estivação nas zonas mais quentes e hibernar em zonas muito frias. A cópula realiza-se habitualmente em meio aquático após o Inverno. Pode ocorrer um segundo período de reprodução no Outono, nos casos onde ocorre estiação. As posturas realizam-se entre os meses de Maio e Julho, num buraco escavado pela fêmea, com cerca de 3 a 18 ovos. Os machos atingem a maturidade sexual aos 6-8 anos de idade enquanto que as fêmeas se reproduzem apenas aos 10-12 anos. Esta espécie vive cerca de 30 a 40 anos na natureza. Tem uma alimentação bastante variada: invertebrados aquáticos, larvas e adultos de anfíbios, pequenos peixes, insectos, caracóis e matéria vegetal.
Em Portugal, ocorre em habitats dulciaquícolas ou de água salobra, permanentes ou temporárias, tais como charcos, albufeiras, represas, rios e ribeiros.


Fenologia

Residente (Res)


Estado de Conservação

Em Perigo (EN)


Distribuição Geral

É uma das tartarugas de água doce com maior distribuição. Ocupa o Norte de África, parte da Península Ibérica, Europa do Sul, Central e de Leste. Em Portugal, apresenta uma distribuição fragmentada e tem maior incidência a Sul do rio Tejo. No Sul, a espécie ocorre principalmente na bacia do rio Guadiana, no distrito de Portalegre (bacia do rio Tejo), na região costeira central do Algarve e nas costas Sudoeste Alentejana e Vicentina.

Distribuição Geográfica

Referências

Almeida, N., Almeida, P., Gonçalves, H., Sequeira, F., Teixeira, J., Almeida, F. (2001). Anfíbios e Répteis de Portugal – Guias Fapas.

Loureiro,A., Almeida,N., Carretero, M., Paulo, O. (2010). Atlas dos Anfíbios e Répteis de Portugal.