Espécie

Phragmites australis ((Cav.) Trin. ex Steud)

  • Phragmites australis

Descrição

Planta vivaz, própria de zonas húmidas, rizoma longo e lenhoso, de onde saem os rebentos, e talos aéreos que podem atingir os 4 m de altura. As folhas são de cor verde-acinzentado, muito pilosas, de até 50 x 5 cm, arestas cortantes e distribuição alterna. A panícula surge no final dos talos, pode chegar aos 40 cm, frequentemente violácea, com inúmeras flores.


Ecologia

Ocorre em lugares húmidos e de águas pouco profundas.


Habitat

Ripícola


Tipo Fisionómico

Caméfito


Época Floração

Julho-Outubro


Estatuto de Protecção

Não tem


Sinonímias

Phragmites communis Trin. Phragmites vulgaris Samp.


Distribuição Geral

Cosmopolita


Observações

Esta planta tem sido ao longo dos tempos de uma extraordinária utilidade em todas as regiões onde cresce, ao ser utilizada na construção de camas, valas, tetos, como alimento de animais, na construção ecológica, na compostagem, na obtenção de álcool, papel e materiais isolantes. Os seus talos e raízes facilitam a oxigenação do solo e a fixação de metais e diversos contaminantes, pelo que desempenha um relevante papel como purificadora. Na cozinha, os talos e as raízes eram utilizados antigamente como comi-da, em épocas de escassez de alimentos. Depois de cortados e secos, eram tostados e moídos até se obter farinha, muito rica em açúcar. As suas propriedades edulcorantes eram aproveitadas pelos índios da América do Norte, que dobravam os talos obrigando-os a exsudar o látex rico em açúcar, que depois utilizavam na sua alimentação.

Distribuição Geográfica