Espécie

Bubo bubo (Linnaeus, 1758)

Nome Comum

Bufo-real, Corujão, Mocho-real

Sem imagem

Características

Mocho com 60 a 70 cm de comprimento. Possui “orelhas” compridas, grandes olhos alaranjados e garras poderosas. É castanho-amarelado, muito malhado de preto na parte superior e na inferior. Apresenta um disco facial proeminente.


Ecologia

A maior parte da população nacional encontra-se nos vales alcantilados de grandes rios
e ribeiras, mas também nas encostas declivosas de serras, nidificando em regra em escarpas e outros afloramentos rochosos, mesmo que de pequena dimensão. A vegetação imediatamente circundante aos locais de ninho é quase sempre constituída por matos e matagais, mais ou menos densos e contínuos e com ou sem arvoredo. Caça em terrenos desarborizados ou de arvoredo não muito denso, com cerealicultura tradicional, restolho, pastagem e matos, bem como ainda ao longo dos vales e margens dos rios onde
nidifica. No nosso país nidifica entre Dezembro e Junho, podendo colocar entre 2 a 4 ovos por postura. O período de incubação dura 34 a 36 dias. O Bufo-real alimenta-se principalmente de mamíferos de pequeno e médio porte (ratos, ratazanas, lagomorfos e carnívoros), aves de tamanho médio, e com menor frequência aves de rapina, répteis, anfíbios, peixes e cadáveres.


Fenologia

Residente (Res)


Estado de Conservação

Quase Ameaçado (NT)


Distribuição Geral

É uma espécie com uma grande e contínua área de distribuição, que se estende de norte a sul desde aproximadamente o Círculo Polar Árctico aos países mediterrânicos europeus, Extremo Oriente, Sul da Índia e da China, e de ocidente a oriente, desde a Península Ibéria até às Ilhas Sacalinas e Leste da China. Em Portugal ocorre sobretudo em áreas inacessíveis e de relevo relativamente acentuado, sendo as zonas mais remotas do interior aquelas onde o Bufo-real é mais comum. É mais frequente na faixa mais raiana de Trás-os-Montes, Beiras interiores, Alentejo e Algarve,
com as melhores e mais contínuas populações a localizarem-se na bacia do rio Guadiana, nas bacias do Douro e Tejo internacionais e ainda nas serras do Sul (Barrocal algarvio e Caldeirão). No Algarve está presente nos vales de alguns afluentes do Guadiana (região de Alcoutim), na serra de Monchique, serra do Caldeirão e na zona da Rocha da Pena.

Distribuição Geográfica

Referências

Cabral, M.J.(coord.), Almeida, J., Almeida, P.R., Dellinger, T., Ferrand de Almeida, N.,Oliveira, M.E., Palmeirim, J.M., Queiroz, A.I., Rogado, L. & Santos‐Reis, M. 2005.Livro vermelho dos vertebrados de Portugal. 2ª ed. Instituto da Conservaçãoda Natureza/ Assírio & Alvim. Lisboa. 660 pp.

Catry, P., Costa, H., Elias, G., Matias, R., (2010). Aves de Portugal. Ornitologia de território continental. Assírio & Alvim, Lisboa.

Costa, H., Juana, E., & Varela, J. (2011). Aves de Portugal incluindo os arquipélagos dos Açores, da Madeira e das Selvagens.

Gooders, J. (1994). Guia de campo das aves de Portugal e da Europa. Círculo de Leitores.

ICN, 2006. Plano Sectorial da Rede Natura 2000.

Assírio & Alvim (2008)- Atlas das aves nidificantes em Portugal.

Turismo do Algarve (2012). Guia de observação de aves no algarve.

http://www.iucnredlist.org/

http://avesdeportugal.info/