Espécie

Citrus sinensis ( (L.) Osbeck)

Sem imagem

Descrição

Árvore de porte médio e copa densa, arredondada e perene. O tronco e ramos apresentam casca castanho-acinzentada e são um tanto tortuosos. As folhas são verdes, coriáceas, brilhantes e muito aromáticas. Os frutos são em geral esféricos, de casca alaranjada, com pericarpo branco, rico em pectina. A polpa é aquosa, de coloração entre o amarelo claro e o vermelho. Dependendo da variedade, os frutos podem conter sementes ou não, que são arredondas e achatadas, de coloração verde-esbranquiçada a pardacenta.


Habitat

Terrenos cultivados


Tipo Fisionómico

Mesofanerófito


Época Floração

Março-Abril


Estatuto de Protecção

Não tem


Sinonímias

Aurantium sinensis Mill.; Citrus aurantium L. var. dulcis L.; Citrus aurantium L. var. sinensis L.


Distribuição Geral

Originário do E Ásia; actualmente cosmopolita, sendo cultivado em todos os continentes. em Portugal é cultivada em várias regiões, destacando-se o Algarve pela expressividade da sua produção,


Observações

Espécie frutíferia introduzida. Cultivada pelos seus frutos, característicos pela sua polpa amarga e com alto teor de sumo. É utilizada para consumo em fresco, em sumos, ou em preparações culinárias, (pastelaria, caldas, geléias, chás, compotas, licores, gelados e outras sobremesas. A polpa é utilizada na confecção de pratos salgados, molhos para aves, peixes e carne vermelha. Os óleos essenciais de laranja, extraídos principalmente da casca tem ampla utilização na indústria de perfumes, cosméticos, produtos de limpeza e aromaterapia, com propriedades calmantes e anti-depressiva. As flores apresentam igualmente um elevado interesse económico, nomeadamente pela suas características melíferas, isto ao atrairem as abelhas em profusão. O mel de flores de laranjeira é mesmo um dos mais valorizados no mercado. Das flores da laranjeira extraem-se essências amplamente utilizadas na culinária, principalmente a árabe, e na indústria de perfumaria e cosmética. Planta Medicinal - acção Anti-helmintica, Antibactericida, Antifúngico, Aromática, Espasmolítico, Eupéptica, Sedativa, Venotónica As flores são usadas no tratamento da ansiedade, insónia, espasmos gastrintestinais, distonias neurovegetativas. O pericarpo é usado como anti-séptico pulmonar (gripes) e na perda de apetite. O extracto de sementes obtido com glicerol ou propilenoglicol, é usado na colite ulcerosa, na doença de Crohn e na redução de agentes patogénicos (especilamente Candida e Escherichia coli). O Óleo essencial do pericarpo é usado em tratamento preventivo da litíase biliar.

Distribuição Geográfica