Espécie

Pandion haliaetus (Linnaeus, 1758)

Nome Comum

Águia-pesqueira, Guincho, Mugeiro, Pilha-peixe, Rabanho-branco

Sem imagem

Características

Espécie com 50-55 cm de comprimento e 150-165 cm de envergadura. A plumagem da zona dorsal é castanha-escura e a parte inferior do corpo é branca com manchas carpais pretas e bandas escuras nas grandes coberturas. A cabeça e a nuca são brancas com uma listra ocular preta. Tem um “colar” estriado.


Ecologia

Em Portugal, esta espécie, ocorre essencialmente durante os períodos de passagem migratória (Mar.-Abr. e Ago.-Out.) e no Inverno, uma vez que a águia-pesqueira está extinta como nidificante, em Portugal. Na altura em que esta espécie nidificava no nosso país, a ocupação dos ninhos era feita entre finais de Fevereiro e princípios de Março, ocorrendo a postura entre Abril e Maio. Enquanto nidificante (antes da extinção), o habitat da espécie em Portugal é formado por falésias e ilhéus rochosos, onde nidifica, e pelo oceano, estuários, lagoas e albufeiras litorais, onde pesca. O habitat de invernada da espécie em Portugal é constituído por estuários, cursos de água relativamente largos e de águas lentas, lagoas e albufeiras, tanto perto do litoral como no interior. A Águia-pesqueira é uma espécie especialista. A sua dieta é constituída
essencialmente por peixes de tamanho médio, de várias espécies, tanto de água doce como salgada, principalmente carpas (Cyprinus carpio), robalos (Dicentrarchus spp.), taínhas (Mugilidae spp.) e sargos (Diplodus spp.).


Fenologia

Residente & Visitante (ResVis)


Estado de Conservação

CR & EN


Distribuição Geral

A sua área de ocorrência abrange todos os continentes à excepção da Antártida,
embora as maiores áreas de distribuição se situem na América do Norte, na Ásia e na Europa (sobretudo na zona Centro e Norte).

Na região Mediterrânica a espécie é mais rara e de ocorrência localizada.
As populações setentrionais são em grande parte migradoras, invernando sobretudo nas zonas costeiras da África Ocidental, enquanto as populações meridionais são essencialmente residentes. A invernada na bacia mediterrânica é normalmente pouco importante. Em Portugal continental a Águia-pesqueira inverna numa larga porção do território, em particular no Centro e Sul do país. São observados regularmente alguns indíviduos invernantes em várias zonas húmidas, do litoral e do interior, como açudes, barragens, pauis, lagoas costeiras e estuários. No Algarve, até há alguns anos, nidificava na costa sudoeste na zona de Aljezur, mas actualmente a sua presença nesta zona parece ser irregular. No resto da região ocorre principalmente durante a passagem migratória outonal e mais raramente no Inverno. Os locais onde tem sido observada são: no barlavento, a lagoa dos Salgados, a ria de Alvor, o paul de Budens e o estuário do Arade; no sotavento, a reserva de Castro Marim e o Ludo
(nestes dois locais a presença da espécie é frequente).

Distribuição Geográfica

Referências

Cabral, M.J.(coord.), Almeida, J., Almeida, P.R., Dellinger, T., Ferrand de Almeida, N.,Oliveira, M.E., Palmeirim, J.M., Queiroz, A.I., Rogado, L. & Santos‐Reis, M. 2005.Livro vermelho dos vertebrados de Portugal. 2ª ed. Instituto da Conservaçãoda Natureza/ Assírio & Alvim. Lisboa. 660 pp.

Catry, P., Costa, H., Elias, G., Matias, R., (2010). Aves de Portugal. Ornitologia de território continental. Assírio & Alvim, Lisboa.

Costa, H., Juana, E., & Varela, J. (2011). Aves de Portugal incluindo os arquipélagos dos Açores, da Madeira e das Selvagens.

Gooders, J. (1994). Guia de campo das aves de Portugal e da Europa. Círculo de Leitores.

Assírio & Alvim (2008)- Atlas das aves nidificantes em Portugal.

Turismo do Algarve (2012). Guia de observação de aves no algarve.

ICN, 2006. Plano Sectorial da Rede Natura 2000.

http://www.iucnredlist.org/

http://avesdeportugal.info/